terça-feira, 30 de junho de 2009

CANO


Igreja matriz de Cano
O que me leva a Cano os Piteiras dessa vila , FAMÍLIA .
Não esquecer !Como nunca esqueci as minhas Raízes .

UM SINAL DA VIDA !


Toma o teu caminho este um sinal que a vida me dava , era tempo de construir ,difundiam-se incertezas nesta mente carregada de realidades .
Estava concretizado e solução para o novo País , da melhor ou da pior forma era igual e realidade foi aquela .
Sentei-me tranquilamente neste jardim por onde os poucos seres vivos deambulavam na suas gaiolas há espera de renascer para um despertar da esperança,
Pensaria regressar muito em breve quem cá deixei ,estava fragilizado e eu sem a certeza que o futuro me trouxesse muito esperança .porque Portugal tinha entrado no espiral de lutas de classes de ocupações sem regra e de tendências extremadas.
Como pouco ou nada tinha o que viesse era ganho, atordoado e enfrentando a realidade de um vazio deixado por uma presença na casa ,foi neste momento que o menino passou a homem .vestiu a armadura de duro empunhou a espada e foi em frente .
Amassou , cozeu ,empilhou todos o tijolos para que a sua "casa" fosse construida,ainda que tivesse alguns mestres de boa índole com quem aprendeu muito na arte da vida e do sentimento .
Mais importante o amigo, o irmão que não tive,uma trave mestra do período em questão e não só.
As memórias não são apagadas pelo tempo , são armazenadas e quando necessárias vamos consultá-las para que nos sirvam a refeição do nosso ego !
Catete ,serenos tempos de tempo de descoberta das macacadas que encontrava nas viagens que fazia a Luanda e das irreverencias do furriel que despachava a secção e ficava nos copos com o !batata" que estava no RI20 - Diz ao capitão Gonçalves que eu fico por Luanda uns dias ....................
Ainda hoje me fascina o imbomdeiro associo-o com o amor com nascimento com a felicidade e procuro agora o que mais me pode dizer!?????

domingo, 28 de junho de 2009

sexta-feira, 26 de junho de 2009

IMBOMDEIRO-ANGOLA


Mais um postal que guardei, do meu tempo por Angola ,nuvens sobre um imbomdeiro !

quarta-feira, 17 de junho de 2009

ALENTEJO É JÁ ALI.......CAMINHANDO


Palavra mágica que começa no Além e termina no Tejo,o rio da portucalidade,o rio que divide e une Portugal.
O Alentejo molda o carácter de um homem .
A solidão e a quietude da planície dão-lhe a espiritualidade ,a tranquilidade e a paciência do monge.
As amplitudes térmicas e a agressividade da charneca ,dão-lhe resistência fisíca e rusticidade,a coragem e temperamento de guerreiro.
Não é Alentejano quem quer,ser alentejano não é um dote é um dom.
Não se nasce alentejano,é-se alentejano.
Portugal nasceu no Norte , mas foi no Alentejo que se fez homem.
Guimarães é o berço da nacionalidade ,Évora é o berço do Império Português.
Não foi por acaso que D.João II se teve de refugiar em Évora, par descobrir a Índia .
No meio das montanhas e serras um homem tem as vistas curtas ;só no coração do Alentejo um homem consegue ver ao longe.
Mas foi preciso Bartolomeu Dias regressar ao Reino,depois de dobrar o cabo das Tormentas ,sem conseguir chegar á Índia,para D.João II perceber que só o costado de um alentejano conseguia suportar com o peso de um empreendimento de tal vulto.
Aquilo que para o homem comum fica longe ,para um alentejano é já ali, par um alentejano não há longe ,nem distância.
Porque só um alentejano percebe intuitivamente que a vida não é uma corrida de velocidade,mas uma corrida de resistência.
Foi, por esta razão,que D.Manuel decidiu entregar a chefia da armada a Vasco da Gama.Mais de dois anos no mar ....E quando regressou ,ao perguntar- lhe se a Índia era longe ,Vasco da Gama respondeu: "Não é já ali".
O fim do mundo afinal ,ficava ao virar da esquina.
Para um alentejano ,o caminho faz-se caminhando,só é longe o sitio onde não se chega ,sem parar de andar.onde Bartolomeu Dias tinha parado.
O problema de Portugal ,é precisamente este muitos Bartolomeu Dias e poucos Vasco da Gama, que desiste quando a glória está perto e o mais difícil já foi feito ou seja muitos portugueses e poucos alentejanos.
D.Nuno Álvares Pereira ,aliás já tinha percebido isso.Caso contrário não teria partido tão confiante para Aljubarrota.D.Nuno sabia bem que uma batalha não se decide pela quantidade mas pela qualidade dos combatentes.
É certo que o Rei de Castela contava com um poderoso exercito composto de portugueses e espanhóis ,mas o Mestre da Avis tinha a vantagem de contar com meia dúzia de alentejanos.Não se estranhe a resposta de D.Nuno aos seus irmãos,quando o tentaram convencer a mudar de campo com o argumento da desproporção numérica
"vocês são muitos !o que é que isso interessa os alentejanos estão do nosso lado ?"
Soube hoje que há provas que também o Cristovão Colombo é Alentejano ..... isto é que uma rapaziada!

(Extractos do texto de Carlos Barreto)

terça-feira, 16 de junho de 2009

DRAGÕES DE OLIVENÇA




Estando eu em Estremoz ,faltava-me uma pegada,ir ao RC3 ver a placa com que comemoramos o vinte cinco anos do batalhão.
Dirigi-me á porta de armas e em sentido a sentinela escutou as minha intenções,fui bem recebido .como um veterano da guerra, enviaram -me com um soldado de serviço e ela lá estava,para memória presente e futura .
O almoço foi em Évora esse ano . 25 anos passados que ficarão gravados nos anais de história e na memória dos tempos,
Ainda ouvi uns bocas nesse almoço do meu pelotão que os graduados eram uns bons sacanas não os deixávamos ver as miúdas! Tudo isso em sã camaradagem e harmonia,ao invés alguém não se estava sentindo bem,outros fumos lhe toldavam o cérebro.
BATCAV 8322/74

segunda-feira, 15 de junho de 2009

O CASTELO DOS MEUS SONHOS ....


Forte, indestrutível,impenetrável,estrategicamente situado, fui criando sonhos e fantasias de realeza.
Cada vez que essa porta se abria, e pela nesga de um olhar ficava sempre fascinado com a sumptuosidade e mistério envolto da sua razão de existir.
O tempo e a pouca conservação o iria degradando assim como a senhora do castelo ,que viveria para o grande amor da vida , pelos preconceitos da época não o viveu.
Por aí fora fui travando a minha "batalha" passei por lares que em nada se identificavam com o meu sonho!
E como o sonho comanda a vida o castelo veio para meu poder ,mas travei uma luta com alguma concorrência,expus os meus argumentos esgrimei valores ,e sortiu o efeito necessário ,venci!
Tinha em mãos o castelo sonhado, agora era arregaçar as mangas e ir em frente ,porque havia algumas "brechas" na fortificação.era uma reconstrução de peso.
Procurei aliados , não me foi difícil ,mas também inimigos de inveja ,agora era a luta não só na rescontrução mas também ,contra o "inimigo"
Teria rescontruir com o estilo , e os materiais assim não eram baratos ,teria que fazer por etapas de vida .
a primeira fase era deixá-lo com as condições para viver não poderia estar a duplicar despesas.
Ficou em condições de travar "lutas" e a dar-me segurança entre muralhas, contra os "inimigos"
Baixei a guarda a entrada no castelo ,não entrariam só aliados como os outros "espiões" que minaram os alicerces.
O cerco que deveria vir do exterior ,foi pelo "interior" que foi conquistado.
Nunca poderia ter um final de "conto de fadas" e foram felizes para sempre.
"Ouro adquirido sono perdido"

domingo, 14 de junho de 2009

sábado, 13 de junho de 2009

SOUSEL EM MIM !!!!


Voltei.volto sempre um ano após outro , como os rios correm para a foz eu corro para a nascente , onde poderei beber a água mais pura para matar a sede da saudade.
Já não tenho pontos de referencia familiar .alias apenas um, os meus compadres ,pais do amigo de fé,irmão camarada.
Passo pela "minha rua" lá estão as marcas do passado . as pedras da minha calçada , a janela do amor , a moradia da família ,mais abaixo a casa do meu nascimento.
As descidas vertiginosas de bicicleta, o jogo da bola , escondidas, risos das historias e choros de raiva.
Alguma emoção e como o tempo passa o jogo da vida é outro já me sinto desenquadrado dos mesmo sítios e dos mesmo lugares.
Favas foi o meu almoço,como eu as cozinho, o vinho que não bebi transportou-me ao tempo em que tudo era nosso , as linguiças as farinheiras as febras e o entrecosto.
Como não sei morrer, paro o tempo ...... nas estórias do meu passado.
Sousel deixa -me um misto de mel e fel , vi alguma evolução e bem estar de quem lá vive de ter conseguido amarar em porto seguro, alguma inveja, os ventos que sopraram foram adversos.
Deixei-te com mágoa , mas volto com prazer.......
(fotojrsimas)

quinta-feira, 11 de junho de 2009

UM REGRESSO A OUTRO PRESENTE


A mesma fachada .o mesmo Hall de entrada com o mesmo painel de azulejos ,vocacionada para a formação de classes sociais média, médio-baixa , formaria técnicos a nível secundário para comércio, indústria e serviços.
Muda-se os tempos muda-se as vontades e esta orientação pedagógica perdeu -se para melhor pior, não sei!?
Só que com a massificação de cursos superiores dirigidos para necessidades
inexistentes,vimos o desespero de jovens que teem vocação para uma profissão e entram para um outro curso que nada lhe trará no futuro.
Equiparando, os técnicos saídos deste ensino , alguns ou maior parte deles já o esperava a profissão.
A parte prática do curso falo do meu caso ,iria desde o preenchimento do simples guia de remessa ao cheque ,livrança ,saques e aceites bancários,a gestão de stocks ,constituições de sociedades e sua escrituração, dactilografia, estenografia,direito civil e comercial,caligrafia, calculo comercial etc .
Tenho mais 11 anos que esta escola ,fui par lá quando da abertura ,porque funcionava em pleno castelo de Estremoz,Foi a minha estreia e também a do edifício.
Nota-se as marcas do tempo , não tem escrito ESCOLA INDUSTRIAL E COMERCIAL DE ESTREMOZ, apenas escola secundaria.
Uma pegada de um trilho de vários anos,trago-te no coração e na memória, esta minha linda escola .

terça-feira, 9 de junho de 2009

ESTREMOZ



Vou á minha cidade preferida, por lá estarei estes dias , vou ver as minhas pegadas !


(foto bolotinha)

segunda-feira, 8 de junho de 2009

ERA ISSO MESMO........Assim o pensaste assim aconteceu....7º



ERA ISSO mesmo -
O que tu dizias,
E já nem falo
Do que tu fazias...
Era isso mesmo...
Eras outra já,
Eras má deveras,
A quem chamei má...
Eu não era o mesmo
Para ti, bem sei.
Eu não mudaria,
Não - nem mudarei...
Julgas que outro é outro.
Não: somos iguais.
(Fernando Pessoa)

domingo, 7 de junho de 2009

ELEIÇÕES


Eu votei, porra não se queixem , não façam circos de protesto não há ideais ,anda~se por ver a andar os outros.
Direitos que alguém conquistou e agora viramos-lhes as costas .
É a politica do eu e o colectivo que se lixe ,
Abstenção ,sondagem de 61 a 65%, e terrível!
(foto jrsimas)

FRASE DO DIA


Av.Calça e Pina a " minha rua" aqui foram vividos muitos momentos ........


A SAUDADE E A PROVA QUE O PASSADO VALEU APENA !

LIÇÔES DE ECONOMIA



Grandes economistas,de palavras técnicas e muita teoria , nada mais fácil que um analfabeto me ensinou um dia.

NÃO E O GANHAR MUITO E O GASTAR POUCO E QUE SE ECONOMIZA

Ou então de um empresário com quem aprendi muito.

RECEBER PRIMEIRO E PAGAR DEPOIS

E ainda a mais popular

FIADO SÓ AMANHÃ


Não segui nenhum conselho!!!!!!!!

sábado, 6 de junho de 2009

GASPACHO Á SOUSEL



Uma receita fresquinha

Ingredientes: 3 dentes de alho, 1 colher e meia de sopa de sal, 3 colheres de sopa de azeite, 4 colheres de sopa de vinagre, ½ pepino, 2 tomates maduros, 1 pimento verde, 2oo g de pão duro, orégão.

Preparação: Num almofariz, pisam-se os dentes de alho com o sal, para se obter uma papa. Coloca-se esta papa no fundo de uma terrina e rega-se com o azeite, o vinagre e os orégão. Reduz-se um tomate a puré e junta-se ao preparado anterior. Corta-se o pepino e o tomate que resta em quadradinhos e o pimento em tiras finas. Introduzem-se na terrina e rega-se com 1,5 litros de água gelada. Na altura de servir junta-se o pão cortado em cubos pequenos. Serve-se bem fresco. Também se pode servir, ao mesmo tempo que o gaspacho, paio e presunto cortado aos bocadinhos.

Em pleno verão não há melhor .

REVISITAR ESTREMOZ NOS 60/70


Cidade minha ,nossa dos alentejanos e de quem a visitar ,tenho a péssimo defeito de guardar tudo, esta preciosidade não me escapou.
Não é viver o passado e recordar o presente ,não este mas outros presentes que foram o caminho para este futuro, estamos no futuro do presente passado !
Uma belo postal de uma cidade com história.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

TERRA VERMELHA


Pastor ou guerreiro,nem uma coisa nem outra, estava simplesmente de serviço de guarda ao Quartel em Saurimo,Angola.
Neste momento não era preciso entender a guerra ,tínhamos que entender a paz era essa a nossa missão ,fazer cumprir acordos do ALVOR,
Com palmadinhas a apertos de mão hipócritas, todos o movimentos assinaram no livro de honra que os iriam cumprir,
Estes jovens de 20 anos ,depois de Abril de 1974 tinham na esperança de não irem ao ultramar, medo receio da terra vermelha onde tombaram muitos dos nossos e deles numa guerra que poderia ter sido resolvida através de dialogo.E não mutilar homens na flor da vida.
Mas lá estávamos juntando os três movimentos nas Forças Integradas , coube-me os serviços de ronda , alguma instrução e sensibilização.
Pouco durou a paz em 12/06/75 rebentou as macas (tiroteio) entre os movimentos e tudo se desintegrou.
Mas depois de muito tentar compreender ,achei que mais valia que o meu tempo fosse aproveitado de uma outra forma,livros não havia ,televisão também não , então voltamos-nos para as bejecas para abafar o calor e refrescar as ideias .
Mas valeu a pena África infiltra-se nos poros e nos sentidos ,uma experiência aliciante mas de risco .
Voltei consciente do dever cumprido mas com a injustiça de um povo sofredor das ambições de muitos.
Que África seja o futuro ..... deste mundo desgastado !

AMOR ETERNO -Assim o pensaste assim aconteceu....6º


No mesmo canteiro nasceu um amor eterno, por meras brincadeira de rua a mesma dos dois .quem era namorado de quem, eu não quis acreditar quando me disse que era de mim que gostava.
Na janela ela aparecia de olhos pretos e cabelos pretos compridos, o namoro era platónico o olhar nos bastava .
Continuou nasceu e cresceu esse amor , mais que tudo na vida, partimos em direcções diferentes nas instituições de ensino eu no técnico e ela no liceu.
Quando podia a socapa a ia esperar a estação, claro que os meus amigos me chateavam com brincadeiras sãs e de respeito perante estes duas inocentes crianças que se amavam,
Cabelos compridos e cara que jamais esquecerei ,guardo no coração , como se diz agora a alma gémea.
Um dia qualquer ,o pai dela chamou-me e perguntou-me se podia ajudar a Diamantina num problema de matemática, olhar desespero tanto dela como o meu .Eu como bom aluno em números lá o resolvi e ansioso para a ver , mas ela estava envergonhada , não apareceu,
E porque a vida da voltas um dia perdi lhe o rasto o pai tinha sido transferido , fiquei de rastos, também tinha a doença da minha mãe e acompanhava-la para Lisboa.
Foi uma vida com imagem dela em mim .
Em plenas festas de Campo Maior um ano qualquer, já resolvido e com responsabilidades ela me apareceu acompanhada da filha,os mesmo tremores de pernas e a mesma dificultada das palavras saírem pela boca, Olá,está bem, a minha vontade era dizer lhe que ainda te amo, era e foi sempre reciproco.
Uma outra vez em Montemor-o-Novo estava num expresso vindo do Alentejo e vim uma cara a perseguir-me com olhar , era Ela .estava eu metendo gasolina , para a viagens que hoje em dias não terão valido apena. Tremi de emoção a vontade era de ir vê-la mais perto e ficarmos os dois sem saber o que dizer .
Aqui acreditei que o amor existe .......amei ,mas jamais assim!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

PAINEL DE AZULEJO


Fauna ,Parque da Gorongosa

RASGOS DE MEMÒRIA -assim o pensaste assim aconteceu ..... 5º


NO tempo em que a televisão só aparecia nos cafés e sociedades recreativas , a miudagem delirava nos domingos á tarde pelos programas infantis,
Foi quando O Júlio Isidro começou com o "Passatempo Infantil" para podermos assistir a essa televisão a preto e branco teríamos de levar dinheiro para fazermos alguma despesa , o bolito uma gasosa.
A preparação para a saída de domingo á tarde seguia o seguinte ritual , banho e a vestimenta domingueira, combinávamos com os amigos a lá íamos até ao Café do Sr.Victor na rua da Amêndoa , perto da Praça da Republica.
Tentávamos sempre os melhores lugares , e mandava -mos vir a despesa ficávamos de consciência tranquila ,o nosso lugar estava assegurado.
Era assim a rotina de domingo para os miúdos de Sousel, todos ou quase todos teriam os 1$00 ( dez tostões )para ir ao café ver televisão.
Mas esta rotina era quebrada porque por vezes o café onde´íamos era explorado pelo sr.Victor e esposa , pessoas já com uma idade avançada e certos domingos ou por doença ou por cansaço fechavam o café.
Claro que os habituais de domingo, entravam em "pânico" porque em certos cafés ou por condições ou por não queriam lá a miudagem e noutros os "senhores" não podiam ser incomodados, eram cafés de classe sociais.
Tentávamos um na Praça da Republica o do Grazina , era hora do mascarilha "THE LONE RANGER" a recepção não foi a melhor ,ao ver entrar meia dúzia de miúdos , esta foi a frase que me marcou, "ONDE FORAM PASSAR O VERÃO VÃO PASSAR O INVERNO " e lá se foi o mascarilha.
Frustrados e zangados lá saímos de cabeça baixa com a revolta estampada no rosto , temos que resolver estas situações , não podemos ficar sem o mascarilha.
Dois ou três de nós através de um pedido de minha mãe . porque era muito amiga da Srª Eduarda que tinha aberto um café havia pouco tempo ,ficamos com o problema resolvido .
Tempos em que nada nos era oferecido, tinha de ser conquistado .....
(foto pipas)

segunda-feira, 1 de junho de 2009

IGREJA MATRIZ


A Igreja Matriz e a rua Manuel Pires Antigo
Sousel um pouco de história ....
A autorização para elevação da Matriz da Igreja da Virgem Maria da Graça, uma das mais belas .. foi por provisão de 1509.
Este templo é uma edificação do século XIV e ergue se no centro da vila .
Possui anexos ,altares e capelas entre as quais as do SS.mo Sacramento.
Toda em mármore,branco,vermelho e preto , extraído de pedreira locais.
Encontram se aqui muitos túmulos brasonados,tais como o de Manuel Pires Antigo,falecido em 1620,que legou os seus bens à Confraria do SS.mo Sacramento para administração e distribuição de rendimento pelas viúvas, órfãos e donzelas pobres que contraíssem matrimónio.
Em Sousel há ou já houve uma rua que tem uma placa em esmalte que ainda é legível,na qual se lê:Rua Manuel Pires Antigo .
Alguns túmulos que se encontram na igreja:
Martins Lemos ,falecido 1620
Godinho Barreiros,falecido 1609
Homem da Costa,falecido 1763
Francisco Machado,falecido 1518

HOMENAGEM A AMIGOS



Todas as palavras estão no vídeo a homenagem a todos eles e ESPECIALMENTE A UM ! ausente , presente ,com palavras sem palavras ELE ESTA SEMPRE !

PAINEL DE AZULEJO .Mais um pedacinho de história


Um painel situado no ISCAL representando O Mosteiro dos Jerónimos |
(Foto Zeii)